trem bala

por Priscila Spécie

CHAPATI E CHAI

CHAPATI E CHAI

CHAI CHAAAAI CHAAIIII !!!

CHAPATI E CHAI

Andar de trem na Índia é uma aventura incrível. É uma experiência inevitável para quem visita o país. Tão incontornável quanto passar por Paris sem nunca ter andado de metrô.

India Railway Paris Metro
<http://gallery.techarena.in/showfull.php?photo=9355>  (source for large view) http://www.ratp.info/orienter/f_plan_ang.php?loc=reseaux&nompdf=metro&fm=gif

Os trens indianos formam uma das maiores e mais usadas redes ferroviárias do mundo. Com uma extensão de mais de 64 mil quilômetros, cobre praticamente todo o país. São 9 mil trens de passageiros, transportando cerca de 18 milhões de pessoas por dia (5 bi por ano). O serviço prestado pela Indian Railways é monopólio do Estado, e em razão da magnitude do sistema ferroviário, a Índia conta com um Ministério próprio para essa pasta (Ministry of Railways < http://www.indianrailways.gov.in/&gt;).

Durante 5 meses, percorri mais de 3 mil km, passando alguns dias dentro de trens indianos: Delhi-Mathura-Del/ Del-Udaipur-Del/Del-Varanasi-Del/Del-Chandigarh/ Del-Agra/ Ahmedabad-Junagadh/ Goa-Calicut. As experiências foram as mais diversas; e os imprevistos, a regra.

estação de trem em Varanasi

As estações são sempre precárias, umas mais outras menos caóticas. Em Delhi, principalmente, é sempre uma luta para não se perder na multidão e encontrar o vagão nos horários de pico. Os bichos estão por todos os lados. Às vezes mais ratos (Old Delhi), noutras macacos (Varanasi). Pássaros e pombas produzindo o zumbido mais ensurdecedor de toda a minha vida (Chandigarh). As sempre sagradas vacas, dormindo no saguão junto aos passageiros (Mathura). As baratas são mais presentes dentro dos trens. Por essa razão um amigo já me recomendou não andar em AC (trens mais fechados por causa do ar-condicionado dificultam a entrada, mas principalmente a saída das cucarachas).

Viajei em pelo menos 5 classes de trens diferentes. Uma terceira classe em direção à Mathura, algumas 2nd class, muitas sleepers (geralmente triliches). A prioridade era viajar com os amigos e em quais condições pudessem. Às vezes passagens disponíveis para todos viajarem juntos resultavam em certo desconforto, compensado por uma nova experiência antropológica.

hora do "chai" no trem para Chandigarh

De Mathura para Delhi, já em posição semi-lótus por causa de uma imensa trouxa de roupas que ocupava o vão para as pernas entre os assentos de uma mesma baia, que já vinha compartilhada por 6 pessoas, uma senhora coloca sua filhinha no meu colo. Respondo com um sorriso cordial, até o momento em que a pequenina toda feliz esfregava um tipo de biscoito maizena babado para todos os lados. Diego, ao meu lado, fecha os olhos e pensa em voz alta: “por que todo indiano tem que comer a todo tempo, não importa onde ou quais circunstâncias?”.

Diz-se comum comprar uma passagem “reserva”. O corretor garante: se tiver que aguardar até 50 desistentes, tá dentro! Isso funcionou umas quatro vezes… até a viagem de volta de Varanasi para Delhi. Estávamos em 5 pessoas com dois assentos garantidos, aguardando desistências números 16/17/18, que não aconteceram. Resultado: uma noite de 14hrs inteira revezando os apertos antes de uma longa semana de trabalho depois de um intenso final de semana na cidade sagrada do Ganges. Incredible India!

dentro do trem

Com o tempo se aprende que o conforto se consegue fundamentalmente exercitando a paciência ou o espírito aventureiro para o imponderável. As memórias sobre e para onde me levaram os trilhos indianos são inesquecíveis. É como se tivesse resgatado parte da infância roubada, aquela da qual nos privaram o antigo Trem de Ferro e que, hoje, querem substituir, para poucos, por um projeto bilionário de um trem dos Jetsons, equivalente à construção de 170 km de metrô.

Nossa querida amiga Priscila viveu em Nova Delhi entre meados de 2008 e início de 2009.

2 Comentários

Arquivado em relatos

2 Respostas para “trem bala

  1. muito bacana esse blog. Ja esta nos meus preferidos. Voltarei sempre.
    Obrigada

  2. AMEI: “Com o tempo se aprende que o conforto se consegue fundamentalmente exercitando a paciência ou o espírito aventureiro para o imponderável. ”
    DIGNO DE NOTA! ABRAÇOS!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s