trabalhar na Índia

Mercado de Kakinada

Mercado de Kakinada

A definição de trabalho e como cada indivíduo se relaciona com este campo de nossas vidas sempre me intrigou. Criado numa família de imigrantes ligados ao comércio, foi caminhando pelos bazares indianos que entendi talvez um pouco da raiz deste fascínio da minha família paterna pelo trabalho constante. As lojas, pequenas vendas geridas de forma familiar, funcionam todos os dias da semana deste o início da manhã até tarde da noite. Nelas podemos notar que as pessoas ali sentadas, com uma alegria enorme, conversam, visitam as lojas dos vizinhos, fazem planos sobre as próximas semanas, barganham com seus compradores, discutem com seus fornecedores, comem e fumam. Aqui na Índia esta forma de transformar o trabalho em lazer, ou o lazer em trabalho, e a mistura de tudo isso na sua motivação de viver, têm me feito pensar muito.

Mas tudo isso é porque gostaria de compartilhar com vocês algumas fotos que tirei na semana passada durante uma visita de trabalho ao sul da Índia. Estive no estado de Andhra Pradesh, uma região talvez do tamanho do estado de São Paulo com uma população de 70 milhoes de habitantes, sua capital Hyderabad foi o centro de um importante reino muçulmano e o último a ser incorporado à Índia independente, em 1947.

Durante a viagem, uma das manhãs acordei às 6 horas e tomei, após a trivial barganha de preços, um riquixá para ir visitar meu lugar preferido em todas as cidades por onde passo: o Mercado.

Ao chegar naquele Mercado tive uma gostosa sensação de estar chegando em casa, vendo todas aquelas frutas e legumes e a alegria das pessoas que ali estavam iniciando seu dia comprando ou vendendo o alimento e o sustento de suas famílias. Comecei minha caminhada de forma acanhada por entre as barracas, buscando reconhecer a variedade de alimentos e a forma como eram harmoniosamente dispostos sobre uma grande variedade de cestas, feitas a partir de diferentes fibras naturais. Uma destas belas cestas despertou meu interesse, estava presa ao fundo de uma bicicleta cheia de alimentos, fui convencer com seu dono a comprá-la, mas o mesmo informou que esta era feita por uma população que vivia fora da cidade e que só poderia me trazer um exemplar dela em três dias, quando já seria tarde demais!

O motorista do meu riquixá então disse que poderia me levar para comprar cestas direto na fonte, na fábrica em que eram produzidas no caminho de volta ao hotel. Não hesitei um minuto sequer, e lá fomos nós pela manhã do sul da Índia entrando por ruelas minúsculas ate chegarmos ao recanto dos fazedores de cestas.

Eram quatro casas, algumas cestas à mostra. Ao chegarmos o dono do estabelecimento estava sentado no chão ao lado de sua esposa, ambos tinham nas mãos palha de buriti e teciam. Ao lado deles estava uma senhora, possivelmente a avó, rodeada pelos utensílios de cozinha da família, enquanto dava banho com uma caneca num menino de cinco anos preparando-se para ir à escola.

Quando fui pedir uma cesta, o nosso fazedor me surpreendeu dizendo que faria duas versões naquela mesma hora, especialmente pra mim. Decidi esperar, e foi observando aquele homem preparando minhas futuras cestas durante quinze minutos que continuei minha reflexão sobres as possíveis formas de combinar trabalho e lazer, a vida e a família.

Acho que este é um tema muito interessante para ser pensado em todas as fases de nossas vidas. Espero que gostem das fotos!

 

Cestas, frutas, legumes e um vendedor

Cestas, frutas, legumes e um vendedor

 

transporte no mercado

transporte no mercado

 

casal que trabalha unido pode permanecer unido

casal que trabalha unido pode permanecer unido

 

Fotos e texto: Luís Rheingantz Barbieri

10 Comentários

Arquivado em relatos

10 Respostas para “trabalhar na Índia

  1. Cestas… por que nos encantam tanto ? Talvez por serem o primeiro instrumento de transporte da terra pro campo, da terra pros olhos, da terra pra barriga. Nelas levam-se os insumos pro campo…e volta-se com a producao. Os produtos que vao dentro mudam, a esperanca eh sempre a mesma, e nao sai dali de dentro por nada !
    Quanto a nos, vamos continuar a tecer nossas cestas e enche-las de historias, aventuras, producao e vida.
    Beijos e abracos,
    Marcio, Mari e Henri.

  2. Cheguei aqui por conta da Julia e há um tempo acompanho o blog. Parabéns pela iniciativa de trazer o belo e o desconhecido do outro lado do mundo para nós. Sucesso, sempre.

  3. deborah rocha

    oi julia (e luis!),

    que legal ler o blog de vcs e esse texto gostoso sobre cestas e trabalho. um valor agregdo inestimeval, nao – alias, um dos grandes diferenciais da India. adorei e queria deixar um beijo ja de volta a terrinha depois de um mes nesse subcontinente incrivel que é a India. na verdade estou agora numa especie de depressao pos parto e vejo que a viagem pela india continua a mexer depois que voltamos dela.
    beijo grande e muito boa sorte ai nessa terra de meu deus,
    deborah
    ps: leiam o tigre branco, vejam slumdog millionaire e se possivel “o estranho caso de benjamin button” (nao sei o titulo original), com o brad pitt…!

  4. Lia

    Oi JU!

    Voce escreve de uma forma encantadora, parabens!
    Tudo que eh novo e aventureiro para mim, soa de uma
    forma positiva, como desbravando o mundo.
    Boa sorte na sua caminhada pela India, e com certeza, voce vai crescer muito com esta aventura.
    Beijos, para vc e Luis.

  5. Fábio Marchetti

    Oi Jú, oi Luís

    Também sou um admirador de artesanatos e do trabalho familiar. Realmente, o conhecimento tradicional empregado representa muito mais que labor , é vida, história, cultura e arte. Adorei…
    Beijos

  6. EMILIATEIXEIRA

    JU E lUÍS
    AGRADECEMOS ESTE GRANDE INTERESSE DE VOCÊS PARTILHAREM CONOSCO SUAS EXPERIÊNCIAS NA INDIA.ESTAMOS ACOMPANHANDO TODAS as SUAS VIVÊNCIAS.AS FOTOS ESTÃO LINDAS.aCHO QUE O QUE JU TEM ESCRITO ,SOBRE A INDIA ,deve ser publicado em livro,pois está muito bem descrito.
    Beijos com saudades da tia Emilia

  7. EMILIATEIXEIRA

    Ju e Luis.
    obrigada por partilhar comigo suas experiencias na India.As fotos estão ótimas.Acho que o que Ju tem escrito deve ser condesado num livro.Muito bem descrito.beijos com saudades da tiaEmilia

  8. Walter Maturana

    Luis,

    Gostaria de lhe agradecer em partilhar seu blog comigo, e poder me informar sobre esta esperiência fantástica que vocês estão passando com esse trabalho na India. Uma terra misteriosa para nós ocidentais, mas sem dúvida muita fascinante.
    Parabéns pelo blog… adorei as fotos e todos os textos muito bem escrito por vocês.

    Um grande abraço, fiquem com Deus

    de seu amigo

    Walter

  9. Alfredo Rheingantz

    Queridos Luis e Julia,

    As saudades são tremendas, não há palavras a não ser que me dispusesse a escrever um livro, só assim para relatar esta sensação da distância, de saber a experiência que vivem, os relatos deste blog…
    Parabéns pelo olhar ao mundo que vocês carregam e trazem para todos nós.
    Como disse à Julia, em breve vou estar com um material escrito que intenciono chegue a ser um livro. Estou compondo junto com uma amiga, a Regina. Posso mandar uma parte para a Julia ir lendo e opinando, vendo se estamos no caminho certo.
    Bom Saudades
    Alfredo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s